Degeneração Macular

Degeneração macular é uma enfermidade da retina que atinge a mácula e é considerada hoje como uma das principais causas de perda de visão em todo mundo. A mácula está localizada numa região bem no centro da nossa retina. Ela mede de 1 a 2 milímetros e é responsável pela nossa visão de detalhes. O que significa dizer que quando você está olhando para o rosto de uma pessoa e foca no nariz dela, por exemplo, observando os pequenos detalhes, quem está trabalhando nessa ação é a sua mácula.


Degeneração macular: uma das causas é a sobrecarga da visão central
O processo de degeneração das células da mácula pode ocorrer em razão de três motivos principais:
– Uso excessivo da visão de perto
– Uso reduzido da visão de longe
– Olhar fixamente, sem movimentar os olhos, ou seja, não piscar e não exercitar a visão periférica

Tudo isso provoca uma tensão e sobrecarga da visão central, com muito pouco tempo da nossa visão periférica, principalmente, nas pessoas que usam óculos a maior parte do tempo e também que ficam muito tempo no celular e computador.


Tipos de degeneração macular
Degeneração macular atrófica: forma mais comum causada pelo afinamento dos tecidos da mácula. A perda da visão é gradual.
Degeneração macular exsudativa: equivale a aproximadamente 10% dos casos da doença. Vasos sanguíneos anormais se formam no fundo do olho e extravasam fluído e sangue, que turvam a visão central. Nesses casos, pode provocar a perda visão de forma rápida.
Buraco na mácula também se forma por uso excessivo da visão de perto
Esta tensão também atinge o vítreo – que é a geleia que preenche o olho -, o que faz com que ele se descole e traga junto com ele pedaços da mácula. O buraco que acontece na mácula pode também estar associado à altas miopias e traumas, o que comprova ainda mais que a tensão pode provocar este problema.


Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)
A degeneração macular relacionada a idade é uma doença que acomete a região central da visão ocasionando perda progressiva da acuidade visual. Ela ocorre, na maioria dos casos, na terceira idade, sendo por isso frequentemente chamada degeneração macular relacionada à idade.


Qual a causa de degeneração macular?
A causa de degeneração macular relacionada à idade é de origem multifatorial onde as características genéticas, associado a alguns fatores de risco que são importantes ressaltar, tais como: pessoas acima de 50 anos, fumantes, raça caucasiana, exposição solar aumentada e sexo feminino. (exposição solar somente quando não se tem bom senso, pois o sol é a vida de nossos olhos, o que não pode é ficar exposto ao sol por um tempo muito longo e com os olhos abertos) grifo nosso.


Sinais e Sintomas
Em alguns pacientes começam a surgir depósitos abaixo da retina chamados de drusas, os quais podem ser visualizados durante o exame oftalmológico e em fotografias do fundo de olho. Poucas drusas não causam problemas para a visão. Entretanto, se grande quantidade de drusas aparece, pode haver baixa da visão. Geralmente a visão é afetada quando existem distúrbios com acúmulo de pigmentos ou atrofia das camadas da retina, nesse caso atrofia geográfica. Estas formas de alterações na mácula são conhecidas como degeneração macular "seca", a qual é a forma mais comum (aproximadamente 90%). 
Um dos sintomas da degeneração macular é embaçamento da visão central, interferindo na leitura e em outras atividades que exijam visão em detalhe. O paciente vê, por exemplo, o rosto de uma pessoa que esteja próxima sem conseguir ver os detalhes dos olhos ou da boca. Outros sintomas são a distorção no centro de uma paisagem ou das linhas no centro da visão, o esmaecimento das cores, a percepção de uma área escura ou vazia no centro da visão e a alteração do tamanho dos objetos em relação ao olho sadio.
Um pequeno número de pacientes, aproximadamente 10% segundo estudos populacionais, apresentam a forma "úmida" ou "exsudativa" da degeneração macular, a qual causa uma baixa de visão bem mais acentuada. Nesta condição, vasos sanguíneos anormais crescem abaixo da retina resultando em vazamento de fluidos e hemorragias. A visão pode então subitamente ficar distorcida ou embaçada. 
O oftalmologista pode detectar a degeneração macular no estágio inicial durante uma consulta de rotina. Se, ao examinar a parte interna do olho, o oftalmologista notar indícios de degeneração macular, ele poderá realizar os seguintes exames adicionais:
•    Campimetria Computadorizada: um exame que possibilita mapear o campo visual do paciente. O mapa obtido permite a identificação de alterações visuais causadas pelo glaucoma ou pela degeneração macular.
•    Angiofluoresceinografia: exame em que por meio de um corante injetável ministrado ao paciente torna-se possível identificar anormalidades na retina e realizar fotografias que ajudarão a prescrever o tratamento.
•    OCT – Tomografia de Coerência óptica: Este exame produz imagens com alto grau de detalhes da retina e que pode "enxergar" sob a superfície da retina.  
•    Teste da grade de Amsler e teste da visão em cores, usados por alguns oftalmologistas, para monitoramento da visão central e da visão em cores, respectivamente.


Como a degeneração macular pode ser tratada?
Em alguns casos, a baixa de acuidade visual residual não é melhorada com uso de óculos comuns, devido ser uma alteração retiniana. Vários auxílios ópticos podem ser utilizados, como: Lupas de mão, monitores especiais, telelupas, lentes de alto grau, dentre outros. (um dos melhores tratamentos são os exercícios naturais) grifo nosso
A Degeneração Macular em si, tecnicamente, nunca leva a cegueira total, mas uma perda da visão central com preservação do campo de visão periférico.


Alguns exercícios Naturais:


•    Palming 6 minutos várias vezes por dia.
•    Compressa fria ou morna (livre escolha)  3X na semana.
•    Sunning 10 minutos por dia.
•    Tomar banho no escuro todas as noites, ou caminhar por algum cômodo com a luz apagada por 15 minutos.
•    Visão periférica com cartão 8X5 e 12X5 por 5 minutos  4X na semana.
•    Olhar detalhes por 10 minutos ao dia.